Textos

o que se passa aqui por dentro

16c6d45ecd694b4e020c8a0814586b6c

O que é o amor dentro da gente, se não algo magnífico? Ele consegue ser pacífico quando queremos apenas aproveitar o momento ao lado de quem gostamos, e ao mesmo tempo selvagem quando precisa do corpo dessa pessoa colado no seu, mais do que precisa de ar para respirar. Falando nisso, quando dois amantes estão juntos, o ar é substituído pela falta de fôlego, que remete ao corpo em erupção. O amor dentro da gente tem uma característica pegajosa quando se quer saber onde aquela pessoa está e o que está fazendo, e orgulhosa quando não quer dar o braço a torcer se está com ciúmes. Sabe ser preocupado com o bem estar da pessoa amada e distraído quando se perde no sorriso dela mesma. Tem absoluta certeza quando perguntam se esta pessoa é o amor da sua vida e é inseguro quando passa pela sua mente a possibilidade de não ser correspondido. O amor é indefinido, é abstrato, é contraditório, é grandioso e natural. Flui na gente como se fizesse parte de nós. E faz mesmo. É a nossa alma. Somos amor em movimento.

Anúncios

11 thoughts on “o que se passa aqui por dentro”

  1. Sem amor não há vida,e é o sentimento mais forte que mais nos traz felicidade e aprendizagem! Excelente texto, parabéns!

    Curtir

  2. Amor é tudo isso e muito mais. Sempre achei que o poema de Luiz Vaz de Camões resumia a intensidade do amor na perfeição. Depois de o viver, compreendi que era aquilo e muito mais.
    Amor é um Fogo que Arde sem se Ver
    Amor é um fogo que arde sem se ver;
    É ferida que dói, e não se sente;
    É um contentamento descontente;
    É dor que desatina sem doer.

    É um não querer mais que bem querer;
    É um andar solitário entre a gente;
    É nunca contentar-se e contente;
    É um cuidar que ganha em se perder;

    É querer estar preso por vontade;
    É servir a quem vence, o vencedor;
    É ter com quem nos mata, lealdade.

    Mas como causar pode seu favor
    Nos corações humanos amizade,
    Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

    Luís Vaz de Camões, in “Sonetos”

    Curtir

Diga o que pensa :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s